Logo Laboratório Carlos Chagas
Icone Exames
Icone Resultados do Exames
Icone Unidades
Icone News
Icone Lifes
Icone

Bypass Gástrico – Monitoramento pós - operatório cirurgia bariátrica:

 

As cirurgias bariátricas são cada vez mais usadas no tratamento de pacientes com sobrepeso e obesidade, que apresentam sinais e sintomas clinicamente relevantes. Cirurgiões realizaram ~196.000 cirurgias bariátricas nos EUA em 2015.  Esses procedimentos podem ser bem-sucedidos na reversão de muitas síndromes adversas:

  • Diabetes
  • Hipertensão
  • Dornas articulações
  • Apneia obstrutiva do sono

Mas há riscos e complicações a serem considerados, como a exacerbação de deficiências nutricionais preexistentes e o desenvolvimento de novas. Algumas dessas deficiências apresentam-se precocemente após a cirurgia, mas a apresentação tardia de deficiências nutricionais é cada vez mais reconhecida por contribuir para maus resultados ou complicações devastadoras.

As cirurgias bariátricas que utilizam uma técnica restritiva apresentam um risco menor de deficiências nutricionais subsequentes, enquanto as cirurgias restritivas combinadas com técnicas de má absorção, como Roux-en-Y e desvio biliopancreático (DBP), podem representar um risco maior.

Portanto, o monitoramento a longo prazo de deficiências nutricionais é indicado após cirurgias de bypass gástrico.

 

  1. Quais os tipos de procedimentos bariátricos são realizados para a perda de peso?

Os procedimentos bariátricos podem ser classificados como restritivos ou mal absorventes. Procedimentos restritivos reduzem o volume ou a capacidade do estômago. Os procedimentos de má absorção reduzem a quantidade de calorias absorvidas, alterando o fluxo dos alimentos. A gastrectomia vertical (SG) e a derivação gástrica em Y de Roux (RYGB) são os procedimentos mais populares. O SG é um procedimento restritivo; O RYGB é uma técnica malabsorptiva e restritiva dupla.

 

  1. Quais os testes apropriados para pacientes que serão submetidos ao by-pass gástrico?

Os indivíduos considerados para cirurgia bariátrica devem passar por uma avaliação nutricional pré-operatória, com correção sempre que possível, para identificar deficiências que possam predispor a um maior risco de deficiências nutricionais. Os testes comuns incluem: vitaminas, folato (vitamina B9), ferro, ferritina e cálcio. Veja abaixo a lista completa dos testes a serem considerados.

 

  1. Quais os testes utilizados para o monitoramento pós-operatório?

Os mesmos testes utilizados para avaliação pré-operatória também são  utilizados após a cirurgia. O cronograma de testes bioquímicos e nutricionais varia de acordo com o tipo de cirurgia. Consulte as tabelas Monitoramento abaixo para agendamentos completos.

 

 

 

Indicações para testes

Antes da cirurgia bariátrica, os indivíduos devem ser avaliados quanto ao estado nutricional. Pacientes submetidos a modificação cirúrgica do trato gastrointestinal (GI) para tratamento da obesidade devem ser monitorados após a cirurgia para deficiências nutricionais. As apresentações clínicas podem sugerir deficiências nutricionais específicas a serem investigadas. A tabela a seguir oferece alguns exemplos.

 

QUADRO DE VITAMINAS 

 TESTES LABORATORIAIS

Avaliação pré-operatória

 

Os indivíduos considerados para cirurgia bariátrica devem realizar testes bioquímicos e nutricionais de base, com correção sempre que possível, antes da cirurgia, para identificar deficiências que possam predispor a um maior risco de deficiências após a cirurgia.  Os testes a serem considerados incluem os seguintes:

  • Vitamina B1: Avalia a deficiência de tiamina. Amostras de sangue total são necessárias para uma análise precisa.
  • Vitamina B12: avalia a deficiência de vitamina B12, que pode levar mais tempo para ser apresentada devido à capacidade do organismo de manter grandes reservas de vitamina. A deficiência de vitamina B12 pode resultar da diminuição intrínseca do fator e perda da superfície de absorção.
  • Folato: Avalia a deficiência de folato (B9), que raramente é vista devido ao consumo de alimentos fortificados.
  • Ferro: os testes de laboratório incluem ferro, capacidade de ligação de ferro e ferritina. A deficiência de ferro pode estar presente antes da cirurgia e pode ser exacerbada pela perda da superfície de absorção e / ou alterações nas preferências alimentares.
  • Ferritina: avalia a anemia por deficiência de ferro. A ferritina, um reagente de fase aguda, é o marcador mais sensível para a anemia por deficiência de ferro, mas pode ser afetada pela inflamação.
  • Ferro e capacidade de ligação do ferro: use periodicamente para verificar a precisão dos testes de ferritina. Este teste não é tão sensível quanto a ferritina.
  • Vitamina D / cálcio: A vitamina D, 25-hidroxi é um marcador das reservas de vitamina D no organismo e é o teste preferido. A vitamina D, 1,25 di-hidroxi é indicada para doença renal e outras situações especiais e é menos usada. O cálcio pode ser reduzido devido a alterações nas preferências alimentares.
  • Painel metabólico abrangente: Avalia a adequação da ingestão de proteínas.
  • Vitaminas A, E e K; zinco; cobre; magnésio; fosforo; e testes de hormônio da paratireóide também devem ser considerados.

 

Monitoramento pós-operatório

O cronograma pós-operatório para testes bioquímicos e nutricionais é baseado no tipo de cirurgia:

  • Banda gástrica ajustável (AGB),
  • Gastrectomia vertical (SG),
  • Bypass gástrico em Y de Roux (RYGB) ou DBP

 

 

 

 

Referência Bibliográfica: www.aruplab.com – traduzido por Dra Caroline Aquino Vieira de Lamare Paula, Médica Patologista Clínica, CRM 7.129.

ACESSE O TEXTO ORIGINAL EM INGLES EM https://arupconsult.com/content/gastric-bypass